domingo, 31 de maio de 2015

O QUE DEUS REALMENTE QUER - ADORADOR

Ao entender que o sacrifício de Cristo foi para mim, começo a viver uma vida de gratidão baseada no princípio de que preciso mudar minha prática, isso gera ‘metanóia’, mudança de mente, a partir daí devo TRANSFORMAR-ME de acordo com essa renovação de entendimento. Só então eu começo a experimentar qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.2). Descobrindo que sou salvo tenho a responsabilidade de mudar minha conduta para parecer com Jesus, e ser exatamente como Deus quer que eu seja.
Isso passa primeiro por um doloroso exame das nossas convicções, por uma crise, ou seja, uma ruptura com nossos antigos conceitos, com a forma de ver o mundo e de fazer qualquer coisa. Depois disso, a conclusão mais óbvia que qualquer um pode chegar é que NÃO é salvo pelos próprios méritos, que está fazendo tudo errado, pois ainda não pratica nada que o Cristo viveu. Não quer dizer que todas as nossas convicções fossem de fato mentiras, mas que as bases de tudo, agora que você encontrou Jesus, são remodeladas pelo conceito de Cristo e por Sua vontade. Basicamente não foi tudo em vão, mas agora as coisas fazem mais sentido. Se os frutos da nossa vida não são o que Deus realmente quer (Mt 3.8), pode ser que Deus não te queira (Mt 7.23), não digo isso acreditando que alguém que se achega a Deus possa ser lançado fora, mas quero dizer que não foi a Deus que esta pessoa se achegou.

Em segundo lugar, você percebe que  é SALVO, pois o Cristo que morreu na cruz te deu acesso através do seu sangue, por meio da fé (Ef 2.8). Aí você sente uma vontade enorme de testemunhar Cristo, respirar Cristo, viver Cristo e encontrar a Sua vontade e vivê-la. Afinal, Ele, o UNGIDO de Deus, nos amou. Você então começa a TRANSFORMAÇÃO, 'metanóia', a mente está nova de novo, zero Km, pronta pra começar, agora no caminho da SANTIFICAÇÃO.

Todo este desejo, nesta intensidade de sentimentos que invadem o nosso ser, por viver e proclamar cristo, a partir de uma mudança de nossas perspectivas, nos impulsiona a adorá-Lo, em reconhecimento de Sua grandeza e santidade e uma profunda sensação de comunhão com Ele mesmo nos momentos de adoração. Mas ser adorador não pode ser uma iniciativa apenas emocional, só em situações em que nossos sentimentos gritam de felicidade e satisfação.

Ser um adorador é uma característica que nós os cristãos consideramos importante, porém a Palavra afirma que Deus não quer somente alguns caras que o adorem, tem algumas características que o adorador TEM que ter: Adorar em ESPÍRITO e adorar em VERDADE.
Alguns adoram a Deus, sem nem mesmo conhecê-lo, sem saber o que adoram (Jo 4.22-24), isso é o mesmo que idolatria, não tem valor, pois o âmago da adoração é o relacionamento pessoal com o ser adorado, neste caso o Deus vivo, este é o único tipo de adoração verdadeira, pois só Deus é um ser pessoal, os outros são só ídolos mortos que nada podem fazer.

Estou inclinado a acreditar que adorar em ESPÍRITO além do fato de ser com íntima ligação com o Espírito Santo, tem haver com uma adoração COMPLETA, com a vida toda, com toda nossa capacidade de viver e respirar; não adianta adorar com os lábios e sua vida durante a semana ter mais semelhança com a vida de um participante do BBB do que com a vida de Cristo. A adoração tem de ser PLENA, sem cortes, pausa ou intervalos para dar lugar ao Diabo, antes o que falamos tem que ser fruto de uma prática diária de comprometimento com a adoração.

Sobre "adorar em VERDADE", há uma ligação íntima entre verdade e SANTIFICAÇÃO, que só pode iniciar e prosseguir com base no conhecimento da Verdade. O início da caminhada Cristã depende de OUVIR a Verdade (Rm 10. 17), conhecer a Verdade (Jo 8. 32) e VIVER a Verdade (Jo 17. 17). Isto é, adorador que adora em VERDADE precisa lembrar que está em uma caminhada de santificação, e não pode parar e nem retroceder, só tem um caminho, e é continuar caminhando. Uma vez ouvi certo provérbio que dizia: “Caminhos são feitos para JORNADAS, não para DESTINOS”; basicamente fala da importância que o caminho tem em nossa jornada de vida, ele é feito para não parar de caminhar, não só para levar a um destino ou porto, ou paraíso. Seguimos a santificação para sermos como Jesus é, e não para ganharmos o céu, é bem verdade que “sem santificação NINGUÉM verá a Deus” (Hb 12.14), mas nosso objetivo não é apenas ver a Deus e sim ser como Cristo, e viver para sempre com Ele.

devoção total em santificação é o único meio de ser um verdadeiro adorador, a estes que o Pai procura (Jo 4.23), e esta é a maneira de agradar a Deus, mas não é tudo, ainda há muitos passos a dar em direção a cumprir a vontade de Deus.


Ser maduro é o próximo passo.