domingo, 31 de maio de 2015

O QUE DEUS REALMENTE QUER - ADORADOR

Ao entender que o sacrifício de Cristo foi para mim, começo a viver uma vida de gratidão baseada no princípio de que preciso mudar minha prática, isso gera ‘metanóia’, mudança de mente, a partir daí devo TRANSFORMAR-ME de acordo com essa renovação de entendimento. Só então eu começo a experimentar qual é a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.2). Descobrindo que sou salvo tenho a responsabilidade de mudar minha conduta para parecer com Jesus, e ser exatamente como Deus quer que eu seja.
Isso passa primeiro por um doloroso exame das nossas convicções, por uma crise, ou seja, uma ruptura com nossos antigos conceitos, com a forma de ver o mundo e de fazer qualquer coisa. Depois disso, a conclusão mais óbvia que qualquer um pode chegar é que NÃO é salvo pelos próprios méritos, que está fazendo tudo errado, pois ainda não pratica nada que o Cristo viveu. Não quer dizer que todas as nossas convicções fossem de fato mentiras, mas que as bases de tudo, agora que você encontrou Jesus, são remodeladas pelo conceito de Cristo e por Sua vontade. Basicamente não foi tudo em vão, mas agora as coisas fazem mais sentido. Se os frutos da nossa vida não são o que Deus realmente quer (Mt 3.8), pode ser que Deus não te queira (Mt 7.23), não digo isso acreditando que alguém que se achega a Deus possa ser lançado fora, mas quero dizer que não foi a Deus que esta pessoa se achegou.

Em segundo lugar, você percebe que  é SALVO, pois o Cristo que morreu na cruz te deu acesso através do seu sangue, por meio da fé (Ef 2.8). Aí você sente uma vontade enorme de testemunhar Cristo, respirar Cristo, viver Cristo e encontrar a Sua vontade e vivê-la. Afinal, Ele, o UNGIDO de Deus, nos amou. Você então começa a TRANSFORMAÇÃO, 'metanóia', a mente está nova de novo, zero Km, pronta pra começar, agora no caminho da SANTIFICAÇÃO.

Todo este desejo, nesta intensidade de sentimentos que invadem o nosso ser, por viver e proclamar cristo, a partir de uma mudança de nossas perspectivas, nos impulsiona a adorá-Lo, em reconhecimento de Sua grandeza e santidade e uma profunda sensação de comunhão com Ele mesmo nos momentos de adoração. Mas ser adorador não pode ser uma iniciativa apenas emocional, só em situações em que nossos sentimentos gritam de felicidade e satisfação.

Ser um adorador é uma característica que nós os cristãos consideramos importante, porém a Palavra afirma que Deus não quer somente alguns caras que o adorem, tem algumas características que o adorador TEM que ter: Adorar em ESPÍRITO e adorar em VERDADE.
Alguns adoram a Deus, sem nem mesmo conhecê-lo, sem saber o que adoram (Jo 4.22-24), isso é o mesmo que idolatria, não tem valor, pois o âmago da adoração é o relacionamento pessoal com o ser adorado, neste caso o Deus vivo, este é o único tipo de adoração verdadeira, pois só Deus é um ser pessoal, os outros são só ídolos mortos que nada podem fazer.

Estou inclinado a acreditar que adorar em ESPÍRITO além do fato de ser com íntima ligação com o Espírito Santo, tem haver com uma adoração COMPLETA, com a vida toda, com toda nossa capacidade de viver e respirar; não adianta adorar com os lábios e sua vida durante a semana ter mais semelhança com a vida de um participante do BBB do que com a vida de Cristo. A adoração tem de ser PLENA, sem cortes, pausa ou intervalos para dar lugar ao Diabo, antes o que falamos tem que ser fruto de uma prática diária de comprometimento com a adoração.

Sobre "adorar em VERDADE", há uma ligação íntima entre verdade e SANTIFICAÇÃO, que só pode iniciar e prosseguir com base no conhecimento da Verdade. O início da caminhada Cristã depende de OUVIR a Verdade (Rm 10. 17), conhecer a Verdade (Jo 8. 32) e VIVER a Verdade (Jo 17. 17). Isto é, adorador que adora em VERDADE precisa lembrar que está em uma caminhada de santificação, e não pode parar e nem retroceder, só tem um caminho, e é continuar caminhando. Uma vez ouvi certo provérbio que dizia: “Caminhos são feitos para JORNADAS, não para DESTINOS”; basicamente fala da importância que o caminho tem em nossa jornada de vida, ele é feito para não parar de caminhar, não só para levar a um destino ou porto, ou paraíso. Seguimos a santificação para sermos como Jesus é, e não para ganharmos o céu, é bem verdade que “sem santificação NINGUÉM verá a Deus” (Hb 12.14), mas nosso objetivo não é apenas ver a Deus e sim ser como Cristo, e viver para sempre com Ele.

devoção total em santificação é o único meio de ser um verdadeiro adorador, a estes que o Pai procura (Jo 4.23), e esta é a maneira de agradar a Deus, mas não é tudo, ainda há muitos passos a dar em direção a cumprir a vontade de Deus.


Ser maduro é o próximo passo.

quinta-feira, 28 de maio de 2015

UM LIVRO - Vida Comum



Bom, este projeto começou no ano de 2013, e minha intenção era estabelecer uma série de 8 temas relacionados à Vida Comum, hoje, pela graças de Deus começo a publicar estes estudos com a finalidade de levar o Cristão, principalmente o jovem à repensar os rumos de sua vida. 


Vida comum, desde 2013 – Nogueira, Daniel Barbosa, Rio de Janeiro



A vida comum é marcada pelos acontecimentos normais da vida humana, basicamente é a realidade da maioria das pessoas, um dia a dia normal, comum de muitos. Quanto as pessoa que vivem este tipo de realidade não se pode definir, pois nos mais variados tipos de sociedade há pessoas que vivem uma vida comum, até porque em certo aspecto é impossível viver em sociedade sem ter algo “em comum”, como idioma, cultura, e alguns hábitos pessoais. Porém, o que vamos tratar é da vida comum que reflete uma rotina e certa previsibilidade, o que não deixa de ser uma vida comum de muita gente. Mas para esclarecer os termos e parar com os trocadilhos e trava língua, vamos considerar os seguintes termos: Comum, como sendo aquilo que é normal, sem muita variação; sociedade, como sendo o grupo social em que o indivíduo está predominantemente envolvido, englobando a condição financeira, ou um status, ou ainda uma característica física.

Sem mais delongas, vamos partir para implicação prática de toda esta conversa. Desde que o mundo é mundo, sempre houve as pessoas extraordinárias e as pessoas comuns, aquelas que faziam o básico e aquelas que surpreendiam, uma vida comum é marcada por quatro grandes acontecimentos, vamos a eles:

NASCE

Nascer é o primeiro grande evento da vida, é quando pela primeira vez as pessoas interagem diretamente conosco, e quando nós experimentamos sensações que jamais havíamos experimentado antes, o nascimento comum é aquele que corresponde às expectativas da maioria dos pais e mães que estão grávidos. Aos nove meses, com algumas contrações e muita dor, após algumas horas de trabalho de parto nasce o bebê, chorando, com saúde e pronto para começar a segunda fase da vida. Em contrapartida existe o nascimento incomum, quando por algum motivo o bebê nasce como fruto de um estupro, ou de um relacionamento irresponsável, ou quando o trabalho de parto começa antes dos nove meses (caso do meu filho), enfim quando algo foge da normalidade dos nascimentos.
Há algum tempo a mídia noticiou que um homem foi preso, pois mantinha a filha e seus netos em carcere privado, o mais surpreendente foi descobrir que os netos (filhos da sua filha), eram na verdade seus filhos, o homem havia mantido relações abusivas com sua filha por anos, e ela engravidou e deu a luz em uma realidade totalmente incomum, por mais, que o parto propriamente dito não tenha significantes diferença de um parto comum, o nascimento daquelas crianças não era nada comum, é repugnante, pois é fruto de uma violência sem tamanho de alguém que deveria proteger sempre.

CRESCE

Esta fase começa a partir do exato momento em que deixamos o conforto do útero materno, pois a partir de então nos são atribuídos segundos, minutos, horas, meses e anos, começa assim o nosso crescimento, e o crescimento comum é marcado por ganho de peso, saúde, a aprendizagem, os primeiros passos e palavras, o primeiro dia de aula, a primeira briga, o primeiro beijo, a primeira namorada, a primeira formatura e etc. Somos forçados pela nossa própria natureza a progredir todos os dias. Entretanto, acontecem coisas incomuns também nesta fase, quando a saúde nos falta desde bem cedo, quando a aprendizagem é limitada por certas deficiências, quando abuso acontece, quando a coragem de denunciar falta. É nesta fase que as marcas são passadas de um dia para o outro, quando um acontecimento interfere diretamente no dia seguinte e assim por diante.

SE REPRODUZ

Agora é o momento em que o ciclo da vida é mantido, o homem que um dia foi gerado, nasceu e também cresceu, vai gerar outro ser humano que vai dar continuidade a esta ciranda sem fim, pelo menos por hora. O rapaz se aproxima da moça, com um jeito todo conquistador, ele fala como um verdadeiro cavalheiro se comporta de uma maneira exemplar, a moça por sua vez é meiga e educada, uma dama que o faz se apaixonar, eles começam um namoro, e depois por se amarem tanto resolvem se casar, a festa de noivado serve para anunciar a toda família que o casório está perto, algum tempo depois eles se unem em matrimônio, e então constroem a base sólida para trazer alguém à vida, e então, após alguns anos eles têm o seu primeiro filho, fruto do amor de duas pessoas que cuidarão e ajudarão aquele pequeno ser a se tornar um homem completo. Do outro lado da história, temos o rapaz inconsequente, que tem relações sexuais com quantas garotas puder, se engravidarem ele simplesmente some e não assume nenhuma responsabilidade; Garotas que desde os treze ou catorze anos, quando seus hormônios começam a gerar desejo sexual, se dão a qualquer um que tenha uma aparência bonita ou uma conta bancária atraente, engravidam e criam seus filhos com a mesma irresponsabilidade que os gerou (e é claro temos o fenômeno catastrófico do FUNK, que pelo simples prazer tem arrebatado futuros de crianças de onze, doze anos, tudo pela aceitação de todo um sistema); e o mais difícil de entender, os homens que por seus descontroles violentam, meninas, jovens e mulheres, e através da violência passam sua semente para a posteridade, crianças que sempre vão fazer lembrar a dor, mesmo sem querer, e que sempre vão ser fruto de uma brutal falta de amor. A discussão de nossa sociedade tem sido no sentido de qualquer um poder interferir no resultado de suas irresponsabilidades, fazendo do ABORTO um ato legal. Por fim se reproduzir faz parte do ciclo da vida, mas pode ser a coisa mais traumática para pelo menos uma vida, aquele que é gerado sem compromisso algum.

MORRE

A morte, por mais que não seja uma coisa agradável, também pode ser comum ou incomum, aos 85 anos de idade ou mais, com algumas doenças da velhice, com a sensação de dever cumprido, e a alegria de saber que viveu o suficiente, é comum morrer. Mas aos 9 anos de idade, devido a uma bala perdida, e uma negligência médica - aquele cirurgião simplesmente faltou ao seu plantão – isso não é nada comum, crianças, jovens e adultos, que são violentamente forçados a abandonarem suas vidas, não faz parte do que classificamos como comum, porém, a certeza que podemos ter é que morreremos, a forma, o meio, a hora, e se estaremos prontos ou não, nenhum de nós pode saber.
A vida comum na verdade não tem sido tão comum na nossa sociedade, a verdade é que tem acontecido uma inversão de valores, papeis e até mesmo de conceitos que por mais que tentemos lutar contra, eles já estão impregnados na nossa cultura. Um nascimento comum e uma morte comum é a única coisa que todos ainda querem, mas todo o resto que liga estes dois pontos tem sido tratados como um leque de possibilidades infinitas, onde desde a liberdade para viver experiências radicais até a chance de ter a sexualidade explorada ao extremo, são apenas diferentes interpretações do que é comum. Se por algum motivo nos nossos dias tentamos limitar o que é ou não comum, somos tratados como a escória da humanidade, pois queremos enjaular o espírito livre de cada um. Diante disto, tenho algumas considerações a fazer.


sexta-feira, 22 de maio de 2015

Resumo de uma vida Bem Sucedida

Bem aventurados os que reconhecem a sua condição miserável espiritual, e que choram de indignação,  mas mantém a mansidão. lutando veementemente pela justiça sem perder de vista a misericórdia que só pode ser gerada em um coração puro, sendo pacificadores que sofrem por causa da justiça, são perseguidos e injuriados por causa de Jesus.  Estes devem estar alegres pois fazem parte de um grupo seleto de Servos de Deus. (Paráfrase de Mateus 5.1-12)

Cristão além do nome

“Ide” Mt 28.19 – “Ide” Mc 16.15
      O verbo grego que é expressado acima, é melhor entendido no gerúndio do nosso idioma, o que expressa uma ação constante: “Indo” “Indo”. Os discípulos de Jesus do primeiro século eram conhecidos e auto intitulados como “Seguidores do Caminho”(At 9.2, 19.9, 19.23, 22.4, 24.22) Isto expressa bem mais do que um nome bonitinho para um movimento de excursões, para os discípulos, o Caminho era o próprio Mestre (Jo 14.6) e eles eram seus seguidores. Isto expressava a forma como eles viam este ministério: “indo para casa, pregavam; indo para o Templo ou Sinagoga, pregavam; indo para os confins da terra, pregavam.”
      A constância, a firmeza e a abundância na obra do Senhor estavam presentes naquele movimento, porém lá em Antioquia alguém aparentemente de fora entendeu bem mais além do que aqueles extraordinários discípulos e disse: “Eles não apenas são seguidores deste tal Cristo, eles são muito parecidos com Ele, eles são cristãos, pequenos Cristos, reproduções exatas na versão 100% humana” Não podia ser diferente, um Deus missionário, dera uma missão: “Enquanto vocês seguem o caminho, preguem, batizem e ensinem.” Percebemos aqui a formula para o desenvolvimento da Igreja, o segredo que Deus deixou é simples, é só imitar e ensinar a imitar a Jesus Cristo, mas para isto precisamos conhecer o autor e consumador da nossa fé, seguir os passos do Mestre, caminhar em direção da Cruz e depois é só ensinar isto aos outros. Um escritor Russo, não muito conhecido disse a seguinte frase: “O segredo da existência humana, não consiste apenas em viver, mas em saber como se vive.” E o mestre sabia bem: “Eu sou a própria vida” “Aprendei de mim”
      Os cantores Erasmo Carlos e Roberto Carlos escreveram e cantaram: “É preciso saber viver” Jesus Cristo foi além: “Ensinai tudo que de mim ouviste.” É para isto que eu e você ouvimos e lemos tudo isto até aqui, para estarmos prontos para ensinar a qualquer ser humano que o Senhor Jesus Cristo pode nos dar a Vida Eterna.
“Um pastor chamado Florescu, foi torturado com atiçadores de ferro em brasa, e com facas. Foi açoitado horrivelmente, ratos famintos eram introduzidos em sua cela através de um cano grosso. Ele não podia dormir pois tinha de se defender o tempo todo, se descansasse um só minutos ratos o atacariam. Foi forçado a ficar de pé por duas semanas, dia e noite. Por fim, trouxeram seu filho de 14 anos e começaram a açoitá-lo na presença do pai, dizendo que continuariam a bater até que o pastor dissesse o que eles queriam. O homem, coitado, já estava quase louco, suportou até onde pôde. Por fim gritou para seu filho: “tenho que dizer o que eles querem! Não posso mais suportar o que eles estão fazendo” O filho respondeu: “Pai, não me faça a injustiça de ter um traidor por pai! Se me matarem, morrerei com as palavras: Jesus é a minha terra natal.” (Torturados por amor a Cristo, Richard Wurmbrand)

      Até que ponto estamos dispostos a pregar este evangelho? Ou melhor, até que ponto acreditamos neste evangelho? Muitos cristãos hoje recebem este título simplesmente porque se filiam a uma instituição qualquer, porém o verdadeiro sentido deste nome é diferenciar aqueles que decidiram abrir mão do seu conforto para seguir os passos do Messias e resolveram amar até as últimas consequências. Li uma frase que dizia: “não precisamos de missionários que amem as almas, mas de missionários que amem a Cristo.” Frase perfeita, pois Cristo não prefere os humanistas, pois nem todo humanista é um cristão autêntico, Jesus prefere os Cristãos, pois todo cristão autêntico é um altruísta autêntico. Existem humanistas que defendem a excessiva liberdade, onde todos podem fazer o que bem entendem, mesmo que sejam coisas autodestrutivas, porém os cristãos dizem: “que a vossa moderação seja conhecida de todos os homens.” Ser Cristão é um privilégio, mas acima de tudo uma real responsabilidade e só alcançamos esta moderação que nos torna autênticos perto do Senhor (Fp 4.5).

Mudando o mundo, para glória de DEUS

        Pier77 foi o nome que surgiu de uma busca, a princípio interior, de algo que pudesse contribuir com a igreja, enquanto pessoas que congregam em várias denominações e em muitas congregações espalhadas por todo o lugar. Nesta busca me veio a frase de Cristo para Pedro e André: “Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens (Mateus 4.19), nesta comparação os pescadores estão em alto mar, lançando suas redes com a sincera intenção de acrescentar almas ao Reino de Deus, contudo, volta e meia estes pescadores precisam recarregar seus suprimentos, aprender técnicas novas, atualizar seus conhecimentos, e onde um pescador vai para isso? No Pier, o lugar que abriga as possibilidades de recarga e de renovação.

            Neste sentido, todos os piers são numerados, e sete sempre foi relacionado com características boas, como o número de dias da semana, as cores do arco-íris entre outras boas criações do nosso Deus. Acreditamos sinceramente que este projeto é uma coisa boa, e que foi criado por vontade do nosso Deus, assim, nada mais empolgante do que numerar este Pier com sete e sete, pois duplamente Deus nos abençoou e pretendemos ser Seus canais neste mundo.

            Nosso slogan parece pretencioso, considerar que mudaremos o mundo, mas nos baseamos no texto de Romanos 12.2: “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” Assim, se cada um de nós mudar, se transformar, o mundo será mudado, e poderemos experimentar a vontade de Deus. As mudanças somente são possíveis com uma renovação da mente que só o Espírito Santo de Deus pode dar. Essa transformação não só precisa, mas deve ser buscada, e o Pier77 é composto de pessoas que buscam desesperadamente esta “metanóia”.

domingo, 17 de maio de 2015

Quem somos



Objetivo Geral: Glorificar a Deus através de uma vida santa, estimulando os outros a crescerem na graça e no conhecimento de Deus.
Missão: Fortalecer a igreja de Cristo em todo mundo.
Orientação Teológica: Credo Apostólico; Pontos calvinistas moderados; Teologia do Pacto; culturalmente liberal, teologicamente Conservadora.
“O Pier77 apoia a igreja de Deus, não se opõe a ela, não concorre com ela, não a substitui. O Pier77 fortalece e estimula homens e mulheres para servirem em suas comunidades religiosas. O Pier77 NÃO TEM FINS LUCRATIVOS.”
Os recursos mantenedores do Pier77 serão advindos dos trabalhos de Editoração (Editora Pier77), e das contribuições voluntárias dos seus apoiadores.